sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Depois do fim (...)


O mesmo filme, a mesma historia mais com outros autores (...)
E eu podia sentir os últimos batimentos do meu coração, eu ouvia tudo silenciosamente, eu não sentia dor nem medo mais eu não conseguia transcrever o que eu sentia, era como se apaixonar a primeira vez ou ao mesmo sofrer sem motivos, eu me lembro que fazia muito frio o vento soprava lá fora fazendo barulhos assustadores, eu não sentia meu corpo mais eu ainda conseguia me mexer, em minha cabeça imagens, fotos, sorrisos! Como se em alguns minutos minha vida toda passa-se por minha cabeça, como se ali fosse meus últimos minutos! Eu me lembro dos primeiros passos e da primeira vez que aprendi a andar sozinho, me lembro daquela bicicleta verde com rodinhas, daquele primeiro tombo, do primeiro dia na escolinha com aquela mochila azul e aquela linda lancheira que eu tanto amava, lembro do primeiro emprego, do primeiro beijo, do primeiro amor, daquele sorriso, aquele que eu jamais esqueceria, do seu olhar, da sua boca! (...)
- Como se alguns segundos minha historia virasse um filme e eu estava ali assistindo, vendo meu erros, minhas vitorias, minhas indecisões, minhas escolhas! talvez era o ponto final, ou o começo para uma nova vida! (...)
-Outras vidas, outras pessoas, mesmo sentimentos! Outra historia! Outro autor, outra personalidade, outro eu dentro de um novo você! outro amor, ou talvez o mesmo e eterno coração (...)
Hugo R. Dorta




Um comentário:

  1. 'O tempo que perdeste com tua flor foi que fez tua flor tão importante'...esse texto lembrou-me isso!
    Um bom fim de semana!

    ResponderExcluir