domingo, 29 de maio de 2011

Eu e você, uma noite, uma moto e nem um destino!


Era mais um lugar comum, de repente já era uma estrada, fria e escura, a lua refletia sobre dois corações angustiados a procura de felicidade, quem é que nunca procurou ser feliz? Pelo menos por uma noite qualquer. As mãos geladas sobre um acelerador, o vento sobre nós, e ali estávamos sobre uma moto e sem rumo algum, tinha buracos, curvas e motoristas descontrolados curtindo mais uma noite! Estava tão escuro que mal víamos a frente, apenas o farol iluminava o nosso destino, e a lua os nossos corações, e fazia tanto frio que não parávamos de tremer, a sensação térmica era de uns 10° graus, posso estar exagerando mais nunca tremi tanto assim, e fomos que fomos, e mal sabíamos onde estávamos indo, eram ruas contra mão, eram lugares estranhos, pessoas estranhas, era adrenalina, era mais uma noite, não comum, era diferente e engraçada, e era eu e você, uma moto e nem um destino!
( E quando saiu sem rumo eu sinto algo, que falta aqui dentro )


    (Hugo Roberto Dorta)
http://twitter.com/Hugodortaa

sábado, 28 de maio de 2011

Diário de um fim.




E foi ali onde me atirei sobre as águas, se batendo sobre as pedras e destruindo o que avia dentro de mim, eu só queria fugir, não queria me encontrar novamente, eu tinha medo!  E foi ali onde me joguei, fui me debatendo sobre as águas traiçoeiras e as pedras cheia de pontas, era sangue, dor e pensamentos de uma vida toda, me via criança, adolescente e adulto,  como se tudo fosse resumido em segundos.  E eu já não podia mais respirar, e meu coração batia lentamente, e era ali meu ultimo dia, o dia em que eu resolvi fugir de mim mesmo, eu não fiz a escolha certa, ela me escolheu, estou aqui, está tão escuro e não posso ver nada, faz tempo que não vejo a luz do sol, aqui é tão apertado e frio, não vejo ninguém deis daquele dia, lembro que era primavera, e tinha muita gente andando pelo park da cidade, as arvores estavam cheia de flores, as  crianças brincavam no parquinho, balançavam e riam na balança, outras se matavam de rir na gangorra, eu via casais apaixonados, velhinhos de mãos dadas, ali tinha tanta paz, mas dentro de mim já não avia nada, tudo começou a perder o sentido, eu só queria era fugir de mim e foi ai onde me perdi e acabei me encontrando, mais longe tão longe, que nem sei dizer onde estou, estou sentindo tanta falta, cadê meus amigos (Os poucos) , a primavera, o sol, minha família, cadê as arvores cheias de flores, aqui está tão escuro e frio, me tira daqui?



    (Hugo Roberto Dorta)
http://twitter.com/Hugodortaa

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Me ajude, me sinto tão só.

 

Por que eu já tive vontade de largar tudo e desejei a morte, meus sonhos foram todos embora, foi saudades, tristezas e dias de depressão, ou ainda são! Escondo-me através de sorrisos e palavras qualquer, tento ser a comédia mal contada e o romance imperfeito, faço de mim a copia daquilo que não existe, tento ser tão forte que me perco nas estradas cheias de buracos que a vida me traz, vou caindo e levantando e morrendo a cada dia, mas eu sei disfarçar, estou bem! E são as palavras que acabam com o que ainda resta de mim, como se eu ainda tivesse escolha, acho que foi a escolha que me escolheu, tenho medo, posso desistir de viver, as lágrimas já falam por mim e estou ao ponto de dizer Adeus, me ajude, me sinto tão só.


         (Hugo Roberto Dorta)
http://twitter.com/Hugodortaa

domingo, 22 de maio de 2011

Tenho medo do amor.

     
    E ali eu estava, olhando e admirando seu rosto todo desenhado, seu nariz e sua sobrancelha fazem um desenho fantástico, a sua boca se destaca em meio a barba, como ela é linda, seus olhos são tão claros, mas são tão escuros também, não consigo definir de tão belo, e quando você me olha eu sinto coisas estranhas, eu não quero sentir isso, por que toda vez eu fico igual, para mim amar já se tornou o único motivo para sofrer, melhor eu fechar os olhos e tapar os ouvidos, não quero chorar de novo, não por alguém, tenho medo do amor.  
    Ontem sonhei com você, você me olhava nos olhos e me falava coisas no ouvido, você me excitava, e adorava ver eu daquele jeito, suas mãos eram tão quentes, você deitava sobre mim naquele chão, me fazia rolar e delirar. Era um lugar tão lindo, tinha arvores, um sombra tão boa, flores, um rio enorme e uma linda cachoeira, lindos pássaros voando e brincando sobre as arvores, e ali era só eu e você, você dizia que me amava e jurava ficar comigo para sempre, foi ali onde tudo aconteceu, mas foi um sonho, e acabou. 
      E agora quando eu te vejo é como se tudo tivesse sido real, você foi um sonho, ou pode continuar a ser, não me olha desse jeito, não quero ser mais um, não quero mais uma vez me apaixonar pela pessoa errada, apague a luz, quero dormir, pelo menos em meus sonhos eu tenho alguém real, como nos contos de fadas e nos romances, você está lá. 
"E de olhos fechados eu consigo ir tão longe, me leva com você, não me deixa aqui, a lucidez dói." 

(Hugo Roberto Dorta)

sábado, 21 de maio de 2011



"Por que é assim que eu me sinto as vezes, feito uma alma vagando, disposta a tudo para se libertar de mim mesmo"



(Hugo Roberto Dorta)

sábado, 14 de maio de 2011

Talvez, Falta do amor...



-Por que você era o único que conseguia me fazer sentir assim, tão bobo, e toda vez que me lembro da gente sentado naquela calçada é como se eu nunca tivesse existido e você era o que me fazia existir, eu era apenas mais um bobo, mas eu só estava apaixonado, pode ser que ainda estou, ou não, talvez apenas sinto falta do amor e só quero ser mais um poeta citando você em meus poemas.


Hugo.R.Dorta

sexta-feira, 13 de maio de 2011

O que restou de um sorriso.


-E vocês eram como o sol ao amanhecer, me aqueciam e estavam ali todos os dias, eram como se fosse a única parte de mim que me fazia estar ali, e na hora certa! E foram tantos os momentos em que ri, e tão poucos os que chorei, mais vocês sempre estavam ali, vocês foram a melhor parte, mas foram embora me deixando apenas o que restou de um sorriso.

I miss
you, us.


H
ugo Dorta.